Setor Palotina

Menu

Pesquisadores da UFPR descobrem novas espécies de besouro em área do Setor Palotina

 

Uma nova espécie de inseto foi descoberta no Setor Palotina da Universidade Federal do Paraná. Trata-se do Myrmedonota scientiana, um besouro de apenas 6 milímetros de comprimento.

O besouro foi encontrado em uma área pequena de Floresta Atlântica, com cerca de 5 hectares. O espaço liga o prédio do antigo Seminário aos demais blocos do setor.

A The Coleopterists Bulletin – revista científica internacional da área de insetos – publicou a descoberta neste mês. O pequeno inseto recebeu o nome de Myrmedonota scientiana. Scientiana é uma homenagem à UFPR porque o nome traz em sua composição parte do lema da universidade ‘scientia et labor’, que significa ‘ciência e trabalho’.

Myrmedonota-escala-1mm-1-1

 

A equipe do Laboratório de Pesquisa em Coleoptera, do Departamento de Biodiversidade do setor, encontrou o besouro durante uma atividade de campo. Um cupinzeiro arborícola com os besouros, localizado em uma árvore tombada, foi levado ao laboratório para estudo.

“Por ser o primeiro registro de uma espécie nova na mata anexa à UFPR – Setor Palotina, a descoberta  tem um grande valor acadêmico, visto que esta mata já passou por muitas alterações do seu estado natural”, destaca a estudante do curso de Ciências Biológicas Bruna Viana Navarro, que realizou o estudo morfológico.

A espécie Myrmedonota scientiana é a primeira do gênero encontrada na América do Sul e a segunda encontrada dentro de um cupinzeiro. A nova espécie de besouro levanta o debate sobre a distribuição do gênero, antes restrito à América do Norte (Estados Unidos e México) e sudoeste da Ásia e Oceania (Malásia, Indonésia, Papua Nova Guiné e Singapura).

“Com a descoberta da nova espécie, ampliamos a distribuição do gênero até o sul da América do Sul, o que sugere existir mais espécies a serem descobertas no continente e ascende a discussão sobre a evolução do grupo”, avalia o professor orientador Edilson Caron.

Também há uma discussão evolutiva referente ao comportamento relacionado com o cupim, já que a maioria das espécies (cerca de 30) estão relacionadas às formigas.

“Assim como a relação das formigas, precisamos investigar se a relação com o cupim é benéfica para ambos ou prejudicial para o cupim, já que este grupo de besouros (linhagem evolutiva denominada Aleocharinae) são na maioria das vezes predadores”, explica Caron.

Na publicação, a UFPR também é lembrada como a universidade mais antiga do Brasil, com 105 anos de história.

SetorPalotina

 

Segunda descoberta

Outra espécie de besouro descoberta na mesma ocasião também passou por estudo morfológico, realizado pelo doutorando do Programa de Pós-Graduação em Entomologia da UFPR, Sidnei Bortoluzzi da Silva, e pelo professor Edilson Caron. O trabalho foi desenvolvido no LAPCOL.

Assim como o Myrmedonota scientiana, o besouro também pertence à família Staphylinidae.

O artigo sobre a segunda descoberta foi aceito pela revista internacional especializada da área Zootaxa. A publicação deve ser realizada ainda este ano.

 

IMG_4933-1

 

 

Autora: Aline Fernandes França 

Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Universidade Federal do Paraná
Setor Palotina
Rua Pioneiro, 2153
CEP: 85950-000 - Palotina (PR)
Fones: +55(44)3211-8500 / 3211-8501
E-mail: setorpalotina@ufpr.br

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor Palotina
Rua Pioneiro, 2153
CEP: 85950-000 - Palotina (PR)
Fones: +55(44)3211-8500 / 3211-8501
E-mail: setorpalotina@ufpr.br

Imagem logomarca da UFPR

©2022 - Universidade Federal do Paraná - Setor Palotina

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR